Pular para o conteúdo principal

Casa Ferreirinha se consolida como referência dos vinhos do Douro

Uma das regiões demarcadas mais antigas da história do vinho, superior a 250 anos, ganha cada vez mais espaço nas taças dos brasileiros pela grande variedade de rótulos, entre eles o desejado Casa Ferreirinha Barca-Velha, um dos mais raros do Douro.

Casa Ferreirinha acaba de anunciar que a safra 2011 do icônico Barca-Velha será lançada no próximo mês em Portugal e deverá chegar ao Brasil em maio deste ano. Sendo o Barca-Velha o vinho responsável pela quebra de paradigma, mostrando que era possível fazer grandes vinhos não fortificados no Douro, é inevitável que a Casa Ferreirinha seja uma das vinícolas mais importantes desta região, sendo seus best-sellers importados e distribuídos com exclusividade pela Zahil.

Douro é considerado a área demarcada mais antiga da Europa e da história do vinho e a Casa Ferreirinha investiu fortemente na aquisição de propriedades privilegiadas com o objetivo de fazer grandes vinhos. A vinícola possui quintas de potencial vitícola considerado excepcional, onde a principal delas e que dá origem ao Barca-Velha é a Quinta da Leda, localizada no Douro Superior. Tais condições tornaram a Casa Ferreirinha uma das responsáveis em tornar o Douro conhecido por grandes rótulos além do vinho do Porto que, para muitos, ainda é o símbolo desse vale do nordeste de Portugal que se estende ao longo do rio Douro.

“A história da Casa Ferreirinha é uma verdadeira lição de viticultura e enologia, com o desenvolvimento de vinhos que unem as melhores uvas do Douro Superior, repletas de riqueza e estrutura, com outras provenientes de grandes atitudes do Baixo e Cima Corgo, que contribuem no blend com sua acidez e aroma. São décadas buscando a excelência na produção. Hoje, os rótulos da vinícola vão desde a juventude do Esteva e Planalto, passando por mais ricos como o Papa Figos, Vinha Grande e Callabriga, que fazem grande sucesso no Brasil, até excepcionais como o Quinta da Leda”, explica Bianca Veratti DipWSET e Diretora de Comunicação da Zahil.

A especialista em vinhos indica quatro rótulos da Casa Ferreirinha para quem deseja iniciar essa viagem pelo paladar e aroma dos vinhos do Douro, ou mesmo para quem já está familiarizado e queira preparar suas papilas enquanto aguarda, em maio, a chegada do Barca-Velha 2011.

Casa Ferreirinha - Papa Figos Tinto (R$ 172)

O Papa Figos é um rótulo que os brasileiros conheceram nas suas viagens à Portugal e adotaram com entusiasmo quando foi lançado no Brasil, tornando-se um best-seller. É indicado para quem procura um vinho agradável e de qualidade, fugindo da monotonia. O estilo é frutado, mas com boa concentração e equilíbrio.

Casa Ferreirinha - Vinha Grande Tinto (R$ 218)

Apesar de próximos na faixa de preço, o Vinha Grande Tinto e o Papa Figos são vinhos muito diferentes, sendo o primeiro destinado a apreciadores que buscam ‘algo a mais’. O Vinha Grande foi o segundo vinho produzido pelo Sr. Fernando Nicolau de Almeida em 1960, logo após criar o Barca-Velha, como uma opção mais acessível, porém com o mesmo DNA de qualidade. É um vinho elegante e complexo, com taninos firmes, porém finos, que pode evoluir por anos na garrafa.

Casa Ferreirinha - Callabriga (R$ 426)

Callabriga é o nome de uma colina localizada em frente à Quinta da Leda, na outra margem do Rio Douro. Luis Sottomoyor deseja mostrar com ele uma nova visão da Casa Ferreirinha, com um vinho exuberante e encorpado, que traduz a riqueza do Douro.

Casa Ferreirinha - Quinta da Leda (R$ 866)

O Quinta da Leda é uma verdadeira joia. Feito exclusivamente com uvas vindas da propriedade de mesmo nome, está entre os grandes vinhos da Casa Ferreirinha, hierarquicamente antes do Reserva Especial e Barca-Velha. Um vinho para conhecedores e colecionadores, ou para quem deseja algo singular para momentos igualmente especiais.

Sobre a Casa Ferreirinha

A história da Casa Ferreirinha está indissociavelmente ligada a uma mulher extraordinária: Dona Antónia Adelaide Ferreira, que nasceu em 1811, na Régua, porta de entrada para os vinhedos do vale do Douro. Ainda que de estatura pequena, e reservada por natureza, Dona Antónia era carismática, visionária e empreendedora. Criou novas extensões de vinhas, aumentou e aprimorou os stocks de vinhos velhos da empresa e contribuiu para melhorar as vidas árduas das famílias de agricultores locais, fundando escolas, creches e hospitais. Tal era a afeição da população que lhe chamavam, carinhosamente, de “Ferreirinha”. Com a sua morte, em 1896, deixou como legado um notável património do Douro e um negócio imensamente bem-sucedido.

A grande aposta da Casa Ferreirinha nos vinhos não fortificados viria a surgir cerca de meio século mais tarde. Produzir vinhos do Douro elegantes e de alta qualidade, com requinte e o elevado potencial de envelhecimento dos vinhos do Porto Vintage, tornou-se o sonho de Fernando Nicolau de Almeida que, desde cedo, começou a trabalhar na empresa, tendo ascendido a diretor técnico. Selecionou as melhores uvas do Douro Superior, repletas de riqueza e estrutura, e combinou-as com outras, provenientes de grandes altitudes, pela sua acidez e aroma.

Assim nasceu, em 1952, o Barca-Velha, um vinho icónico que é, desde então, produzido apenas nos melhores anos, considerado como um dos tintos de Portugal com maior longevidade, elegância e complexidade. A génese da Casa Ferreirinha é, portanto, uma verdadeira lição de enologia, que determinou a evolução dos vinhos desta Casa, enriquecida com a plantação de raiz da Quinta da Leda, iniciada em 1979, onde nascem as uvas que permitiram aumentar e melhorar a produção. Hoje, a gama Casa Ferreirinha, produzida sob a liderança do enólogo Luís Sottomayor, vai desde a juventude de vinhos como Esteva ou Planalto, passando por vinhos mais ricos como Papa Figos, Vinha Grande e Callabriga, até aos excepcionais Quinta da Leda, Antónia Adelaide Ferreira e Reserva Especial, com o Barca-Velha a ocupar o topo da hierarquia.

Sobre a Zahil

Fundada em 1986 pelos irmãos Antoine Zahil e Serge  Zehil, a importadora passou a se dedicar exclusivamente à importação de vinhos a partir de 1999. A qualidade dos vinhos é a principal estratégia da Zahil, sendo criteriosamente selecionados por uma equipe de especialistas sob a competente consultoria de Jorge Lucki, expert em vinhos e referência nos mercados brasileiro e internacional. Os vinhos produzidos por cerca de 70 produtores, em 11 países, são importados e distribuídos com exclusividade em todo o território brasileiro, com destaque para a presença nas cartas de mais de  2000 dos melhores restaurantes nacionais. A cuidadosa seleção conta com nomes de peso que representam as principais regiões produtoras e estilos de vinhos ao redor do mundo.

 Zahil

www.zahil.com.br

Fotos: Divulgação. 

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual