Pular para o conteúdo principal

O autêntico Bacalhau da Noruega - sua melhor receita

Marca representada pelo Conselho Norueguês da Pesca é símbolo de origem e qualidade dos produtos exportados pelo país nórdico. 

Bacalhau da Noruega de Páscoa.

A Páscoa está chegando e uma das estrelas da data é o Bacalhau da Noruega. Seja no bolinho, na salada ou no almoço de domingo, lá está ele.

Tanto o autêntico Bacalhau da Noruega, o Gadus morhua, quanto os peixes salgados secos da Noruega, Saithe, Zarbo ou Ling são ideais para a preparação dos mais variados pratos, sendo ideal para todos os dias, pois além de serem saudáveis, rendem até 30% a mais após o dessalgue sem perder o sabor e a qualidade.

O que é bacalhau?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre o que é ou do que é feito o bacalhau. O autêntico Bacalhau da Noruega é o Gadus morhua (da família Gadidae) vem das águas frias e cristalinas dos mares que circulam o Polo Norte, na Noruega, garantindo a melhor qualidade e o sabor único. O conhecimento e a experiência únicos da Noruega constituem uma das maiores comunidades de pesquisa e desenvolvimento em pesca e produtos do mar do mundo, que incluem desde o tamanho dos peixes até os métodos de pesca. Além disso, o país nórdico possui sistemas de rastreabilidade que permitem que as informações sobre os peixes sejam rastreadas em toda a cadeia de alimentos.

O Bacalhau da Noruega é altamente saudável, tem baixo teor de gordura - cada 100g do peixe possui aproximadamente 160 calorias, é fonte de proteínas, cálcio, ferro e rico em ômega 3, além de ser livre de conservantes artificiais, porque é apenas peixe e sal. Tanto o Bacalhau da Noruega como os outros peixes salgados secos da Noruega, Saithe, Zarbo e Ling, rendem até 30% a mais após o dessalgue, ou seja, ganham o volume que perderam durante o processo de salga e secagem.

Como escolher:

Para ter certeza de que está levando o produto certo para casa, é preciso saber diferenciar todos os tipos de bacalhau. Por aqui, podemos encontrar cinco tipos de peixes salgados secos da família Gadidae, que a partir da nova legislação de janeiro de 2019 devem ser denominados da seguinte forma:

Bacalhau Salgado Seco Gadus morhua- Considerado o mais nobre bacalhau, esse tipo é pescado no Atlântico Norte e apresenta postas altas, largas e coloração palha e uniforme, quando salgado e seco. Depois de cozido, sua carne se desfaz em camadas claras e tenras.

Saithe Salgado Seco da Noruega Pollachius virens - Possui sabor mais forte e coloração menos clara. Quando cozido, sua carne macia desfia com facilidade. É o tipo perfeito para preparar bolinhos, saladas e ensopados.

Ling Salgado Seco da Noruega - Molva molva - O mais estreito entre os peixes tipo bacalhau. Sua carne branca e apetitosa é perfeita para pratos desfiados, assados, cozidos e grelhados.

Zarbo Salgado Seco da Noruega - Brosme brosme - É o menor entre os cinco peixes tipo bacalhau. É mais roliço do que o Ling e possui barbatana dorsal contínua. É ótimo para a preparação de pratos desfiados, caldos, pirões e bolinhos.

Os peixes salgados secos da Noruega: Saithe (Pollachius virens), Ling (Molva molva) e Zarbo (Brosme brosme) provenientes da Noruega, são feitos com peixes da mesma família do qual se faz o Bacalhau (Gadus morhua). São salgados e secos da mesma forma e com o mesmo padrão de qualidade, são espécies de peixes diferentes, devem ser denominados como tal, mas são submetidas ao mesmo processo.

Na hora da compra, é importante checar a origem do produto para ter a certeza de que está levando para casa o autêntico Bacalhau da Noruega. Busque pelas etiquetas, logo e pergunte ao vendedor para se certificar que o produto é realmente exportado pela Noruega.

Como dessalgar:

O método de dessalgue do bacalhau, que ganha aproximadamente 30% a mais de volume, pode até levar um tempo a mais, mas é muito simples. É recomendado mergulhar o bacalhau em água fria, com pedras de gelo, dentro da geladeira e usar duas partes de água para cada parte de bacalhau, trocando duas vezes por dia, no mínimo, e mantendo o bacalhau na geladeira, para ficar bem conservado.

O tempo de dessalgue depende da altura das postas, seguindo a indicação:
Bacalhau Desfiado: 6 horas (trocar a água de 3 em 3 horas)
Postas normais: 24 horas (trocar a água de 6 em 6 horas)
Postas grossas: 40 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)
Postas muito grossas: 48 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)
Lombos muito grossos: 72 horas (trocar a água de 8 em 8 horas)

Como conservar o peixe em casa:

Ao comprar o bacalhau na bandeja, retire o filme plástico. Faça o mesmo no caso de comprar no saquinho. Coloque em vasilhame bem limpo, seco e com tampa.
Se for salgado e seco, deve ser mantido em refrigerador (nunca manter em temperatura ambiente, em armários, prateleiras e etc).
Pincelar com azeite para evitar o ressecamento.
E o mais importante, nunca congele o bacalhau ainda salgado.
Depois do processo de dessalgue, pode congelar o peixe, pois o bacalhau não perde seu sabor autêntico e único e estará sempre pronto para consumo em inúmeras receitas, ideal para todos os dias.

Tipos de cortes:
Você sabia que para cada tipo de corte existe uma receita diferente? Tanto o autêntico Bacalhau da Noruega como os peixes salgados secos da Noruega são ideais para consumir o ano inteiro.
Os cortes centrais (altos) são os lombos, parte mais alta e nobre, ideal para assar e grelhar, além de serem ótimos para receitas que utilizem o pedaço inteiro, depois de assado, grelhado ou cozido. Esse corte solta pétalas claras e tenras, que deixam os pratos bem bonitos.
Os pedaços abaixo dos lombos são as postas médias, também conhecidas como filés, perfeita para serem consumidas inteiras ou também em pétalas. É uma ótima opção para ser consumido em churrasco.
As partes mais extremas das laterais e a mais próxima ao rabo, são as postas finas, que após dessalgadas podem ser retiradas pétalas e até mesmo desfiadas para o preparo de inúmeras receitas.
Já o rabo e a pele também podem ser utilizados para o preparo de caldos, que vão deixar inúmeras preparações com um sabor incrível.

Receitas para a data:


Bacalhau Espiritual

Ingredientes:
600g de Gadus morhua da Noruega, após dessalgar
500g de miolo de pão
300ml de leite
100g de farinha trigo
100g de cebola
300g de cenouras
50g de queijo
Manteiga
Azeite extravirgem
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Modo de fazer:
Cozinhe o bacalhau e reserve a água do cozimento.
Retire a pele, as espinhas e faça lascas.
Molhe o pão no leite.
Em uma panela, coloque um pouco de azeite, polvilhe com a farinha e misture bem, regando com a água do cozimento do bacalhau.
Deixe cozinhar em fogo brando, mexendo de vez em quando.
Pique a cebola e leve para refogar no azeite.
Quando estiver dourada, adicione as lascas de Bacalhau, a cenoura ralada e o pão embebido em leite.
Misture tudo muito bem e envolva com 2/3 do molho anterior.
Unte um tabuleiro de forno com um pouco de manteiga e coloque o preparado anterior.
Cubra com o restante molho.
Polvilhe com o queijo ralado e leve a gratinar em forno quente.

Bacalhau da Noruega de Páscoa⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Ingredientes:
500g de Gadus morhua da Noruega, após dessalgar
3 batatas
3 cebolas
3 brócolis
2 ovos
3 dentes de alho
3 couves-flores
2 cenouras
Azeite

Modo de fazer:
Cozinhe o bacalhau com as cebolas por cinco minutos.
Em seguida, acrescente a cenoura, as batatas e os ovos, deixando tudo cozinhar por mais dez minutos.
Em uma panela à parte cozinhe o brócolis, as couves-flores e os dentes de alho.
Na hora de servir, coloque a posta de bacalhau no centro do prato e vá acrescentando harmoniosamente as batatas, as cebolas, as cenouras, a couve-flor, o brócolis, os ovos cozidos e os dentes de alho.

Bolinho de Bacalhau da Noruega
⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ingredientes:
400g de Saithe Salgado Seco da Noruega desfiado, após dessalgar
1 ramo de salsinha
1kg de batata-inglesa
Pimenta-do-reino moída na hora
2 claras
Azeite de oliva
Óleo vegetal para a fritura
⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Modo de fazer:
Desfiar o peixe com um pano de algodão ou com as mãos.
Cozinhar as batatas, amassá-las e misturar ao peixe, de preferência com as mãos.
Acrescentar a salsa picada, a pimenta-do-reino, as duas claras batidas em neve e misturar.
Untar as mãos com azeite e enrolar os bolinhos.
Fritar em óleo abundante e bem quente.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Rende 40 bolinhos


Risoto de Bacalhau da Noruega

Ingredientes
200g Bacalhau da Noruega
1.3 de xícara(s)arroz
2 dentes de alho
Azeite de oliva
1 cebola
1 pimentão verde
1 folha de louro
1 tomate
1 colher de café de colorau
1 colher de café de açafrão
1 colher de café de tomilho fresco
Sal a gosto
Salsa a gosto

Modo de fazer:
Refogar em azeite a cebola, o alho e o pimentão cortado em cubos grandes.
Juntar o bacalhau em lascas, a folha de louro e o tomilho.
Depois de refogar um pouco, acrescentar o tomate cortado em cubos e a salsa picada.
Juntar o arroz, polvilhar com colorau, regar com água fervente (2 e 1/2 vezes a quantidade de arroz).
Ao final do cozimento, aromatizar com açafrão.
Ajustar os temperos e transferir para um refratário.
Levar ao forno já quente por mais 10 minutos.

Fotos: Divulgação/Conselho Norueguês da Pesca.

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual