Pular para o conteúdo principal

ABE elege Enólogo da Safra das Safras

 Escolha é feita pelos associados da ABE, que podem votar até dia 20 de novembro.                   Leandro Santino foi eleito Enólogo do Ano 2019Foto: Jeferson Soldi

O Dia do Enólogo foi celebrado em 22 de outubro, data que a Associação Brasileira de Enologia (ABE) completou 44 anos, mas ao contrário de anos anteriores a entidade optou por não realizar o tradicional encontro dos associados em razão da pandemia da Covid-19. Com esta mudança, a escolha do Enólogo do Ano foi adiada, mas não cancelada. E diante da ‘Safra das Safras’ a Associação resolveu encerrar 2020 fazendo esta homenagem a quem se dedica o ano todo do vinhedo à garrafa. Eleito pelos colegas de profissão, o Enólogo do Ano 2020 será conhecido em dezembro. Os associados podem votar pelo site www.enologia.org.br até o dia 20 de novembro.

Desde 2004, a ABE já homenageou 16 enólogos. “Quando 2020 começou fomos presenteados com a ‘Safra das Safras’. Estamos enfrentando um momento difícil do ponto de vista da saúde, mas que tornou o vinho brasileiro a bebida da pandemia. Realizamos o maior Brazil Wine Challenge da história e uma Avaliação Nacional de Vinhos que levou o vinho do Brasil para a casa dos apreciadores, quebrando paradigmas. Não poderíamos deixar de reverenciar o artífice do vinho, justamente num ano que certamente servirá de marco para a vitivinicultura nacional”, destaca o presidente da ABE, enólogo Daniel Salvador.

 

Mesmo que à distância e sem aquele encontro de taças, a ABE não vai deixar de mobilizar seus associados para fazer este reconhecimento a quem aporta ao mundo do vinho conhecimento, sensibilidade e prazer. A homenagem vai além do profissional, reverenciando toda categoria. O nome do ano da Enologia brasileira deverá ser indicado levando em consideração sua formação em Enologia e Viticultura, trabalho em prol do profissional, estar exercendo a atividade e ter cinco anos de experiência no ramo, ter atuação setorial, promover a inovação tecnológica, ser associado a ABE no mínimo há três anos e estar em dia com a Tesouraria. Cabe destacar que o presidente atual e o da gestão anterior não podem concorrer.

 

Os três mais votados passam para a segunda etapa sendo pontuados pela sua vida profissional, considerando experiências, formação e reconhecimento perante seus pares. Os mesmos serão avaliados numa terceira etapa por um comitê formado por todos os Enólogos do Ano, gerando uma nova pontuação. Por fim, carisma, experiência, formação, participação e reconhecido desempenho na atividade serão determinantes para a decisão final. O Enólogo do Ano 2020 será premiado com uma viagem para participar deum concurso internacional de vinhos.

 

Retrospectiva dos homenageados

2004 - Antônio Czarnobay

2005 - Gilberto Pedrucci

2006 - Firmino Splendor

2007 - Adriano Miolo

2008 - Ismar Pasini

2009 - Nauro José Morbini

2010 - Lucindo Copat

2011 - Daniel Dalla Valle

2012 - Dirceu Scottá

2013 - Juliano Daniel Perin

2014 - Delto Garibaldi

2015 - Christian Bernardi

2016 - Flávio Angelo Zílio

2017 - Carlos Abarzúa

2018 - Cedenir Fortunatti

2019 – Leandro Bianchi Santini 

 

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual