Pular para o conteúdo principal

MMV comemora 15 anos apostando em vinhos finos, sustentáveis e no e-commerce

Em franca expansão, importadora de vinhos curitibana aposta em vinhos de qualidade, sustentáveis e no e-commerce.  

A importadora curitibana de vinhos MMV está celebrando 15 anos em um momento que o consumo de vinhos no Brasil apresenta uma nova faceta – marcada por consumidores mais exigentes e pela procura de vinhos de diferentes tipos de uvas, rótulos e países de procedência. 

A empresa teve início com os amantes de vinhos  Francisco Madalosso e  Gustavo Martins. Em 2005, ao visitar a vinícola Cinco Sentidos, na Argentina, os dois empresários se encantaram com a qualidade de seu vinho e, ao conhecer o proprietário da vinícola, resolveram importar o produto para o Brasil.

Junto ao vinho argentino, mais alguns rótulos foram inicialmente adicionados ao portfólio da recém-criada MMVinhos (Madalosso Martins Vinhos): o La Playa, chileno, e o Caparzo, oriundo da Itália.

A ideia inicial da MMV era atender bares, restaurantes, supermercados e lojas especializadas. O grande diferencial era trazer vinhos com uma boa qualidade e a preços acessíveis, mantendo uma infraestrutura enxuta. Assim, foi montado um centro de distribuição no Tarumã, em Curitiba, e uma Delicatéssen em Chapecó, cidade onde residia Gustavo Martins à época. Na foto acima,  Jonas Martins e Gustavo Martins, da MMV, na Viña Alto Roble, que produz os vinhos Felitche e Fortunatus

Em 2018, observando uma boa oportunidade de negócio e com um olhar para um futuro ainda mais promissor, que inclua a parceria com novas vinícolas e a incorporação de vinhos finos ao portfólio, Gustavo Martins tornou-se o único proprietário da empresa, que deixou de ser chamar MMVinhos e recebeu o nome de MMV Importadora. 

“O mercado brasileiro estava passando por mudanças profundas desde a criação da MMV, lá em 2005. Eram necessárias algumas reestruturações para que a empresa vislumbrasse uma expansão significativa em seus negócios”, explica Jonas Martins, sommelier e gerente comercial da MMV.


Uma delas foi aprimorar a parceria que a MMV tinha com a vinícola chilena Viña Alto Roble na produção do Felitche, vinho assinado pela MMV. A parceria existia desde 2012, porém apenas quatro rótulos do Felitche eram comercializados no Brasil. Todos vinhos de uvas mais “consagradas”, como a cabernet sauvignon e a merlot.

“O Felitche é um vinho chileno de ótima qualidade e preço muito acessível. Existia um mercado muito interessante para ele aqui no Brasil”, enfatiza Jonas. Além do Felitche, a MMV passou a importar da mesma vinícola o Fortunatus, um vinho superior e de maior qualidade, inclusive com uma linha Reserva.

Além de aumentar o seu portfólio, trazendo rótulos como o Felitche Malbec, com uma uva consagrada na Argentina, e o Felitche Rosé, seguindo a tendência de consumo do mercado, a importadora passou a participar mais ativamente do processo de produção dos vinhos. Com visitas constantes às vinícolas, os especialistas da MMV podem escolher desde o tanque até mesmo o barril onde esses vinhos são envelhecidos, com base na análise e no feedback dos clientes também.

Outro investimento da MMV foi em vinhos orgânicos. Com os vinhos Inserrata, produzidos em uma pequena vinícola sustentável na Toscana, Itália, a importadora trouxe um vinho de qualidade superior e com uma nova perspectiva de produção.


Com o ano atípico de 2020 por conta da pandemia de Covid-19, esperava-se que o consumo e a venda de vinhos despencassem. Porém, não foi o que aconteceu. Com o isolamento social e bares e restaurantes fechados, o investimento e consumo de vinhos “melhores” aumentou. Isso fez com que a MMV investisse e agilizasse o seu e-commerce, que não existia.

“Em abril de 2020 lançamos o nosso site de vendas. Com a reclusão, as vendas foram um sucesso e tivemos os meses de maio, junho e julho com ótimas vendas”, revela Jonas Martins.

Para o próximo ano, o desafio é manter a margem de vendas e seguir no processo de expansão. Para isso, novos rótulos serão agregados ao portfólio da MMV. Um deles são os vinhos da Bodegas Krontiras, de Mendoza, na Argentina, que produz vinhos de maneira biodinâmica. Os vinhos são produzidos das formas mais sustentáveis possíveis e livres de aditivos químicos, além disso, existe interação de animais com os vinhedos e todo os dejetos produzidos na vinícola são reaproveitados em forma de adubo orgânico.

Outra medida será a participação da MMV Importadora em feiras de vinhos Brasil afora, como em São Paulo, Ribeirão Preto, Campinas e Bento Gonçalves, onde ocorre a maior feira de vinhos da América do Sul, a Wines of South America. A participação nesta feira já ocorreria neste mesmo ano, mas, em virtude do cancelamento do evento por conta da pandemia, a participação ficou para o ano que vem.

Fotos: divulgação.

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual