Pular para o conteúdo principal

Miolo Reserva Tempranillo 2018 é Ouro na França

Esta é a nona medalha conquistada pelo vinho elaborado com uvas cultivadas no Seival, em Candiota, na Campanha Meridional.


10.041 quilômetros. Esta foi a distância percorrida pelo Miolo Reserva Tempranillo 2018, que saiu de Candiota, na Campanha Meridional do Rio Grande do Sul, cruzou o Oceano Atlântico e chegou em Bordeaux, onde recebeu Medalha de Ouro no Challenge International du Vin, maior e mais antigo concurso internacional de vinhos organizado na França.

Receber uma Medalha de Ouro no país que é considerado o berço do vinho e que hoje tem um consumo per capita com 50 litros por ano, é visto pela Vinícola Miolo como um passaporte renovado para o mundo, mostrando ao Brasil que aqui se faz vinhos tranquilos com qualidade internacional. A credibilidade do evento, que tem a aprovação da Comunidade Europeia desde 1986, alcançou a marca de mais de 5 mil amostras inscritas por 38 países que são avaliadas por um júri internacional de mais de 800 profissionais, além de consumidores amadores informados.

 “Aproveitamos a qualidade da lendária Safra de 2018 para reapresentar a linha Reserva, a mais tradicional da Miolo. Nosso Reserva Tempranillo, um dos nove rótulos que compõem a linha, vem conquistando o consumidor pois segue à risca o conceito da linha, de expressão da capacidade máxima de cada uva”, comemora o enólogo Adriano Miolo, diretor superintendente da vinícola.

A Miolo aposta no cultivo da Tempranillo na Campanha Meridional desde 2005, onde o terroir se mostrou propício para esta variedade que não é tão comum. Em 2011, a empresa lançou o varietal na Linha Reserva, a mais icônica da vinícola, no mercado desde 1990, e que acaba de ser modernizada com um amplo trabalho de evolução que traz mudanças por dentro e por fora. De lá para cá, o Miolo Reserva Tempranillo já pode ser degustado nas Safras 2011, 2013, 2015, 2016, 2017 e agora 2018. Assim, com a solidificação do portfólio, este prêmio só reforça este posicionamento.

O vinho já traz o Selo da The Vegan Society, que certifica o produto como 100% vegano e livre de alergênicos, mais um diferencial da marca que acompanha as tendências de consumo e o novo comportamento dos consumidores, além de atender quem busca um vinho mais elaborado com uma escolha segura na faixa de R$ 50.

 

O vinho

Este vinho apresenta uma intensidade de cor média alta com tonalidade vermelho rubi, traz aromas frutados, ressaltando frutas vermelhas maduras integradas com carvalho, conferindo ao vinho boa complexidade aromática. É um vinho de boa estrutura com taninos elegantes e persistentes. Ideal ser consumido numa temperatura entre 16º e 18º.

 

A tanicidade do vinho não é compatível com o amargor das carnes bem passadas, assim como seu teor alcoólico. Desaconselha-se que seja servido com alimentos ácidos ou comidas muito salgadas. A melhor harmonização seria feita com comidas untuosas e suculentas. Assim, é ideal para arroz carreteiro, carne de panela, dobradinha, feijoada carioca, macarrão ao ragu, arroz de frango caipira, frango com quiabo, baião de dois, rodizio de massas, pizzas clássicas e queijos maturados de massa semidura. 

Foto: Divulgação.

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual