Via Zoom boas notícias sobre a colheita 2020 da Vinã Concha Y Toro

 Nesta tarde do dia 03 de junho 2020, participamos a convite da Lucia Paes de Barros, assessoria da Concha Y Toro no Brasil, de um bate-papo via Zoom com o diretor técnico e enólogo da Viña Concha Y Toro, Marcelo Papa e também enólogo da linha de vinhos Marques de Casa Concha, que nos contou sobre os desafios de se colher e vinificar uvas em plena pandemia. Mas as notícias são ótimas!
Um grupo de mídias de Curitiba e Minas Gerais participou do bate-papo onde Marcelo Papa nos contou que apesar da colheita ter sido 15% menor devido à Pandemia, a qualidade das uvas foram muito superiores que as da safra anterior. 
Explicou que o clima quente e seco que marcou a safra de 2020, e que se equivale ao de 2017, fez com que a maturação das uvas acontecesse mais cedo e que embora a colheita tenha sido feita em meados de fevereiro e março, a grande maioria da colheita já tinha sido finalizada quando o Covid-19 chegou ao Chile. A antecipação da colheita não alterou as características das castas. Mesmo a Carmenère, uva emblemática do Chile, que precisa de mais tempo para amadurecer e geralmente é colhida mais no final de maio, colaborou com o forte calor chileno.
Sob as bençãos da Cordilheira dos Andes, a  Chardonnay foi colhida no final de janeiro e a Pinot Noir no início de fevereiro, nos arredores de Santiago, no Vale do Limarí, com suas características únicas.
  No dia 16 de março foi a vez da colheita das castas Cabernet Sauvignon, a uva mais plantada no mundo e também no Chile, e da Cabernet Franc, cheias de sabor de frutas maduras, no Vale do Maipo, ás margens do rio do mesmo nome.
No Vale do Maule, com seus microclimas e solos diversos, a colheita começou cedo e foi concluída no final de abril com rendimentos de 8% acima do esperado.
Os vinhos da Concha Y Toro mostrarão na safra 2020 toda a refrescância, elegância, suculência, potência e diversidade de estilos que são as marcas da vinícola.
Foto: Márcia Toccafondo.

Comentários