Pular para o conteúdo principal

Malbec branco com alma de tinto

Trivento lança o primeiro White Malbec do mercado, e introduz, em caráter inédito, um novo estilo de vinho com a cepa mais emblemática da Argentina.
A Trivento Bodegas y Vinedos traz ao mercado um projeto ousado e inédito – o primeiro White Malbec feito com a uva Malbec, e que propõe, de forma inovadora, uma nova experiência com a mais emblemática cepa argentina. "O desafio da nossa equipe de vinificação era elaborar um vinho branco atraente e frutado, feito de uma variedade vermelha, um blanc de noir", diz o enólogo German di Cesare
O caráter raro e inusitado de White Malbec já se revela desde a colheita: nos primeiros dias de fevereiro, German di Cesare acorda cedo para colher manualmente as uvas da cepa Malbec provenientes dos Vales de Luján de Cuyo e Vale de Uco. As uvas são colhidas precocemente - para manter sua acidez natural -  e com as mãos, para mantê-las inteiras, antes de serem levemente prensadas, e fermentadas sem maceração, separando-se a casca do mosto, no que resulta em levíssima coloração. 
Depois de uma fermentação a 10 graus por duas semanas, mais 4 meses para engarrafar e um mês para colocar o rótulo, finalmente é apresentada a obra final de German di Cesare e da Trivento Bodegas y Vinedos -  o primeiro White Malbec elaborado no mundo do vinho -  curiosamente chamado de “a alma nua da Malbec, a mais cultuada cepa argentina”. O método resulta em um vinho de coloração salmão pálido, com aromas de cereja, framboesa e maçã verde, e acidez marcante em boca. 
Esse novo estilo de vinho da variedade Malbec casa bem com peixes grelhados e saladas, o que lhe coloca em posição vantajosa em países de clima quente e tropical como o nosso, onde praticamente é verão o ano inteiro.  Um vinho leve, fresco, elegante e fácil de beber, com personalidade e caráter marcante.
Como nasceu White Malbec 
A ideia surgiu da dinâmica de envolver os colaboradores da Trivento no programa Winds of Opportunity, de modo a gerarem idéias criativas. Em uma dessas ocasiões, muitos deles concordaram que a Malbec, cepa mais representativa da vinícola, poderia ser apresentada de maneira inovadora. Com esse desafio em mente, a equipe de vinificação se aventurou na técnica de elaboração de um vinho branco com uvas tintas – um blanc du noir – e assim nasceu Trivento White Malbec. O vinho, inclusive, entraria no mercado com uma bela ação de responsabilidade social: arrecadar bolsas de estudo. A meta para 2020 é arrecadar fundos para permitir ao menos 50 bolsas anuais, o que quadruplicará o que já se obteve em 2019.
Ficha técnica do Trivento Reserve White Malbec
Origem da uva: Valle de Uco e Luján de Cuyo, Mendoza
Colheita manual a partir da primeira semana de fevereiro
Vinificação: leve prensagem, fermentação alcóolica em tanques de aço inoxidável por um período de 15 dias, a 10o
Teor de álcool: 12% Vol (20o C)
Acidez Total: 6,82 g / l
Açúcar residual: 5, 25 g/ l
Cor: reflexos pálidos da cor salmão
Nariz: notas frutadas, com predominância de aromas de frutas vermelhas maduras, como cereja, framboesa, frutas vermelhas e maçã verde
Boca: Paladar fresco e fluído, estrutura média e fácil de beber, taninos doces e final longo.
Fotos: Divulgação.

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual