Pular para o conteúdo principal

Post-Quercus por Felipa Pato






Post-Quercus (ou depois do carvalho), o novo vinho da enóloga portuguesa Filipa Pato chega ao Brasil até o final do mês de maio/17, pelas mãos da importadora Porto a Porto e Casa Flora e eu já tive o privilégio de degustá-lo em Curitiba. Inspirados pelos métodos ancestrais de vinificação, sem negar os avanços que a tecnologia trouxe aos nossos dias, retomam-se técnicas milenares para a obtenção de vinhos autênticos e de grande personalidade.








Entre os enólogos que se destacam mundialmente pela utilização desses conceitos está a renomada portuguesa Filipa Pato (foto).
Dessa forma ela criou o tinto Post-Quercus, assinado também por seu marido, o sommelier William Wouters, que chega em maio ao Brasil. Elaborado com a uva Baga, proveniente de diversos microclimas da região da Bairrada, esse exemplar é o resultado de vinhas que passaram por manejo com técnicas biodinâmicas praticadas no local desde a geração dos avós de Filipa. As uvas são colhidas e selecionadas manualmente e então o vinho fermenta e estagia em ânforas de barro, que mantêm a temperatura correta para a vinificação. “O solo da Bairrada é composto de argila e calcário e quando os romanos ocuparam essa região eles já utilizavam esta técnica para a elaboração do vinho. A fermentação e o estágio desta forma possibilitam a troca de oxigênio e assim os taninos da Baga ficam muito mais macios, além de os aromas serem mais delicados do que seriam se elaborássemos o vinho por meio de outro processo”, conta Filipa.  O resultado é que o vinho pode ser desfrutado também mais jovem, além de ter potencial de guarda de aproximadamente 8 anos. O nome Post-Quercus significa depois do carvalho. “A nossa visão é sempre olhar para o passado e pensar no futuro. As ânforas são feitas de barro, o mesmo elemento que existe no vinhedo; como a Baga gosta muito desse tipo de solo, surgiu a ideia de fermentá-la em ânfora”, completa a enóloga.
Na foto, durante a degustação que aconteceu no restaurante La Varenne: Pedro Corrêa de Oliveira diretor da importadora Porto a Porto, a enóloga Filipa PatoFelipe Miyiake, chef de cuisine do La Varenne e José Vinícius Chupil, sommelier do restaurante. (Crédito da Foto:  Carlos Poly). 
O Post-Quercus apresenta aromas de frutas delicadas como cereja e ameixa e em boca é muito suculento. Robert Parker, o grande crítico mundial de vinhos, deu 90 pontos à safra 2015. Além de excelente para ser degustado sozinho, acompanha peixe grelhado, camarão, lagosta ou outra carne de qualidade preparada de forma simples, com legumes frescos para acentuar a pureza do vinho. Combina perfeitamente com queijos de pasta mole como Serra da Estrela, Brie e Camembert. Indica-se decantar e servir a uma temperatura entre 12 e 14º Celsius, ou seja, mais fresco que o comum para tintos. O Post-Quercus é apresentado em garrafas de 500ml, pois como a primeira edição, elaborada em 2013, foi muito pequena, diminuiu-se a capacidade para a obtenção de mais garrafas. Da safra 2015 foram produzidas 4.000 garrafas de 500ml e 1.500 garrafas de 1 litro. Os vinhos da Filipa Pato são trazidos ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora. O preço sugerido é de R$155,00.

Postagens mais visitadas deste blog

Curitiba 18💙18 distribui 270 toneladas de alimentos

  Campanha de financiamento coletivo arrecada R$ 991.841 em 18 dias em prol de ONGs de Curitiba e Região Metropolitana. Uma campanha em torno do número cabalístico 18. Assim foi a Curitiba 18 18 , uma iniciativa da Comunidade Israelita do Paraná, que foi abraçada por muitos curitibanos, pessoas físicas e jurídicas.   A ação foi inspirada na campanha original de São Paulo, realizada algumas semanas antes. A arrecadação total pela plataforma de financiamento coletivo Benfeitoria foi de R$ 991.841,00, que estão sendo transformados em 270 toneladas de alimentos para mais de 9 mil famílias.   A distribuição já começou e continuará nas próximas semanas, com o apoio logístico da Trans Pizzatto. O número 18 foi escolhido por simbolizar a vida, transformando alimentos em esperança para as famílias mais necessitadas, situação agravada pela pandemia. “18 simboliza ‘chai’, que é vida em hebraico. E o coração, uma ponte para outra vida. Pessoas ajudando pessoas. Uma forma de honrar essa terra que t

Conheça os eventos na Itália e na França que vão celebrar Leonardo da Vinci em 2019

Com 28 de anos de história a Teresa Perez Tours é especialista em criar e reinventar roteiros personalizados e não poderia ficar de fora das comemorações dos    500 anos da morte de Leonardo Da Vinci , no  ano de 2019.  Da Vinci,  considerado, graças às suas contribuições em praticamente todos os campos do conhecimento humano, um dos artistas mais completos que o mundo já conheceu. O gênio italiano morreu no dia 2 de maio de 1519 e, como não poderia deixar de ser, o tema vai inspirar atrações ao longo do ano na Itália, país de origem do artista, e na França, onde passou os últimos dias de sua vida. Na programação, mais de 500 eventos com o objetivo de criar um movimento popular e artístico através de uma programação variada, que aborda temas relacionados à figura do artista e ao Renascimento - período em que viveu -, como arquitetura, gastronomia, artesanato, ciência e inovações tecnológicas.   Legado e raízes na Itália Na Itália, uma série de celebrações estão planejadas e du

Brasil abre 2018 com 16 prêmios para os espumantes brasileiros na Espanha

Vinhos e espumantes são reconhecidos por júri internacional formado por 40 experts A conquista de mais prêmios internacionais para vinhos e espumantes brasileiros começou mais cedo este ano. O país verde e amarelo acaba de conquistar 16 medalhas no Concurso Internacional de Vinos y Espirituosos (CINVE) 2018 , realizado de 12 a 14 de fevereiro no Complexo Cultural de São Francisco, na cidade de Cáceres, na Espanha. A entrega da premiação acontecerá dia 13 de abril no Hotel Villamagna, em Madri .   O concurso reuniu 705 amostras de 14 países. Um júri formado por 40 experts distinguiu quatro vinhos e 12 espumantes brasileiros . O diretor da Associação Brasileira de Enologia (ABE), enólogo Marcos Gabbardo, esteve representando o Brasil e destaca que foi possível avaliar, principalmente, vinhos da Península Ibérica, além de produtores do Novo Mundo e Velho Mundo. “Todas as avaliações foram realizadas às cegas por jurados internacionais, permitindo a valorização da diversidade e qual